quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

A Minha Aldeia



Minha aldeia é todo o mundo.

Todo o mundo me pertence.

Aqui me encontro e confundo

com gente de todo o mundo

que a todo o mundo pertence.




Bate o sol na minha aldeia

com várias inclinações.

Angulo novo, nova ideia;

outros graus, outras razões.

Que os homens da minha aldeia

são centenas de milhões.


Os homens da minha aldeia

divergem por natureza.

O mesmo sonho os separa,

a mesma fria certeza

os afasta e desampara,

rumorejante seara

onde se odeia em beleza.




Os homens da minha aldeia

formigam raivosamente

com os pés colados ao chão.

Nessa prisão permanente

cada qual é seu irmão.




Valência de fora e dentro

ligam tudo ao mesmo centro

numa inquebrável cadeia.

Longas raízes que imergem,

todos os homens convergem

no centro da minha aldeia




António Gedeão








Para todos vós, num momento de muito trabalho e sem poder passar pelos vossos blogues com a regularidade com que o fazia, deixo-vos a minha amizade, beijinhos e creiam que não vos esquecerei.Irei passando por aqui.

14 comentários:

amigona avó e a neta princesa disse...

Nós comprendemos, amiga...sabemos que quando puderes cá estarás...continuamos a vir aqui...assim sentimo-nos perto de ti...

Olha desde ontem que participo num novo blog com o silencioculpado e a laurentina! Se quiseres passa por lá ( o sol poente)... Beijo e saudades...

herético disse...

beijo. sempre bem vinda...

avelaneiraflorida disse...

Querida Sophiamar,
andamos todos numa roda-viva!

Mas continuamos AQUI!

Bjks, AMIGA!!

gaivota disse...

vim espreitar e logo dei com António Gedeão, lindo!
a minha aldeia é todo o mundo...
o mundo é todo meu, meu, e eu que não tenho nada...
beijos

Rosa Maria disse...

Venho retribuír o beijinho e os votos de noite serena.

Beijinhos

Ana disse...

Que linda é a tua aldeia. Que belo o poema de António Gedeão.
Esperamos por ti com a amizade de sempre. Volta assim que puderes. E que o trabalho seja compensador.
Até breve, amiga.
Um beijo.

Brancamar disse...

Que bomita esta ideia de Universalidade: "...Gente de todo o mundo/que a todo o mundo pertence".
Isabel, estou sempre a lembrar-me de ti, mas parece que andamos todos com pouco tempo.
Volto logo que possa.
Beijinhosssssssss!

Agulheta disse...

Amiga Sophia. Lindo este poema de António Gedeão,compreendo como é esta semana me tenho deitado tarde para fazer e comentar,até domingo vai ser apertado,mas vai dando com esforço,pelo gosto de vir ver estes amigos,vale a pena sempre.
Beijo de carinho no teu coração Lisa

Aspásia disse...

COMO TE COMREENDO, MIGA!
EMBORA NÃO TRABALHE FORA POR CAUSA DOS OLHOS SEMPRE INFLAMADOS, NÃO ME FALTA QUE FAZER POR AQUI COMO SABES...

DEPOIS DE MTO PENSAR ANOS E ANOS SOBRE AS DORES Q TENHO NAS PALPEBRAS,,, HOJE EXPERIMENTEI ALGO QUE ME FEZ ABRANDÁ-LAS! UMA COISA MUITO SIMPLES...MAS NAO SEI SE PODERÁ SER PREJUDICIAL... VOU ESTUDAR MELHOR ESTE ASSUNTO...

BOM TRABALHO E BEIJINHOS GRANDEEEEESSS!!!!

amigona avó e a neta princesa disse...

Um beijo...um beijo e que o teu dia seja radioso...

Carminda Pinho disse...

"A minha aldeia é todo o mundo..."
É um verso bonito de um poema lindo que, nos ofereces hoje.

Pois é amiga, o tempo para vós agora é curto para tantos testes, reuniões, papéis e mais papéis, como diria a nossa amiga Renda.
Quem te conhece sabe que está sempre por aqui mesmo que não pareça, quem é que poderá duvidar da tua amizade?

Volta quando puderes, eu virei como de costume.:)

Beijinhos

Luis Eme disse...

É linda a nossa aldeia, cheia de poetas como o Gedeão...

elvira carvalho disse...

Ou não conhecia, ou já não me lembrava deste poema.
Quanto às visitas não se preocupe. Nós aguardamos.Sabemos que nesta altura do ano, ou por uma ou outra razão, todos andamos sem tempo.
Um abraço

augustoM disse...

Bonito poema do António Gedeão.
Parabéns pela escolha. Um beijo Augusto