sábado, 16 de julho de 2011

Barcos na Ria

                Barcos na Ria Formosa ( Ramalhete) - Google


Os barcos que na ria

traçam rápidas vias

de espuma e o meu dia desafiam

saltam à luz que é musica

aumentando

até quase tornar

impossível abrir os olhos neste dia

que verdadeiramente não parece

meu como noutra idade eu o sentia

O sol dilata e faz subir o céu

desconhecidos

os corpos contra a água

verde e azul agora calma frente à casa

Nenhum barco

já passa há um

silêncio que só o diminuto

murmúrio da maré crescendo molha
Mas outros barcos vêm e recortam-se

velozmente na água que retalham


Gastão Cruz ( Faro 1941)

15 comentários:

Zé Povinho disse...

Os barcos e a água da ria embrulhados na harmonia das palavras.
Abraço do Zé

Parapeito disse...

:) bonitas palavras que fazem ondular os barcos na ria
brisas deoces***

pinguim disse...

Quando irei eu à Ria Formosa?

Tiago R Cardoso disse...

eu gostei.

Fragmentos Culturais disse...

Um poeta que sente a sua terra! Linda, a poesia!

Uma excelente semana!
Um beijo

Fernanda disse...

Gostei muito do poema e conheço bem essa Ria, à qual não voltei nos últimos três anos.
Deu saudade.
Obrigada

Beijinho

Julia Campos disse...

Que coisa linda acabei de ler.
Quero mais.....
Adorei seu canto de sereia, adorei seu canto de Iemanjá, adorei seu canto...., simples, voraz e belo, são qualidades tão difíceis de encontrar.
Angela Maria Teixeira da Costa
Lopes.geja100@gmail.com

Julia Campos disse...

Maneiríssimo !!!!!!!!!!!!!!!!!
Amo o mar, amo as pessoas, amo a terra que piso, amo o céu quando está com sol, quando está denso e ameaça chuva, amo o céu com estrelas, amo À HUMANIDADE PORTANTO AMO O MUNDO E AMO VOCÊ COM ESTAS PALAVRAS LINDAS.
BEIJOS,
ANGELA

Julia Campos disse...

Escreva mais e mande o blog.
lopes.geja100@gmail.com

Julia Campos disse...

Quando se embrulha os barcos e água na harmonia, sai um som, uma música... Você com certeza já a ouviu.São cheias de palavras que fazem ondular os barcos no balanço das águas. Se irá pra Ria Formosa? Não sei...Mas fique calado ao meio do silêncio e ouvirá a música que o encaminhará, você vai gostar como Tiago gostou e sentirá depois a sua terra e esta semana será magnífica então como previsto pelo Fragmentos Culturais. Beijos a todos que me levaram a esta síntese.

BEIJOS E MAIS BEIJOS......
lOPES.GEJA100@GMAIL.COM

gaivota disse...

a ria e os seus veleiros...
beijinhossssssss milesssss

Graça Pires disse...

As palavras de Gastão Cruz a trazer-nos a saudade de bons momentos passados na Ilha Formosa...
Um grande beijo.

Lilá(s) disse...

A ria, a poesia, a leveza das cores...tudo em perfeita harmonia!
Bjs

DE-PROPOSITO disse...

Os barcos lembram brincadeiras de criança (de tempos que já lá vão). Fazia-se barcos de casca de pinheiro (carrasca), porque era fácil trabalhar-se com a navalha, e era vê-los navegar em quaquer charco de água.
---
Que a felicidade ande por aí.
Manuel

elvira carvalho disse...

Um poeta que não conhecia. Acompanhada por uma bela foto de um sitio também completamente desconhecido para mim.
Abraço amigo