terça-feira, 19 de agosto de 2008

A Las Cinco de la Tarde



A las cinco de la tarde.
Eran las cinco en punto de la tarde.
Un niño trajo la blanca sábana
a las cinco de la tarde.
Una espuerta de cal ya prevenida
a las cinco de la tarde.
Lo demás era muerte y sólo muerte
a las cinco de la tarde.


El viento se llevó los algodones
a las cinco de la tarde.
Y el óxido sembró cristal y níquel
a las cinco de la tarde.
Ya luchan la paloma y el leopardo
a las cinco de la tarde.
Y un muslo con un asta desolada
a las cinco de la tarde.
Comenzaron los sones de bordón
a las cinco de la tarde.
Las campanas de arsénico y el humo
a las cinco de la tarde.
En las esquinas grupos de silencio
a las cinco de la tarde.
¡Y el toro solo corazón arriba!
a las cinco de la tarde.
Cuando el sudor de nieve fue llegando
a las cinco de la tarde
cuando la plaza se cubrió de yodo
a las cinco de la tarde,
la muerte puso huevos en la herida
a las cinco de la tarde.
A las cinco de la tarde.
A las cinco en Punto de la tarde.


Un ataúd con ruedas es la cama
a las cinco de la tarde.
Huesos y flautas suenan en su oído
a las cinco de la tarde.
El toro ya mugía por su frente
a las cinco de la tarde.
El cuarto se irisaba de agonía
a las cinco de la tarde.
A lo lejos ya viene la gangrena
a las cinco de la tarde.
Trompa de lirio por las verdes ingles
a las cinco de la tarde.
Las heridas quemaban como soles
a las cinco de la tarde,
y el gentío rompía las ventanas
a las cinco de la tarde.
A las cinco de la tarde.¡
Ay, qué terribles cinco de la tarde!¡
Eran las cinco en todos los relojes!¡
Eran las cinco en sombra de la tarde!


Federico García Lorca



Nasceu numa pequena localidade da Andaluzia,Fuente Vaqueros, a 5 de junho de 1898 e foi assassinado em Granada a 19 de agosto de 1936. Poeta e dramaturgo espanhol foi uma das primeiras vítimas da Guerra Civil Espanhola. García Lorca ingressou na faculdade de Direito de Granada em 1914 e cinco anos depois transfere-se para Madrid onde ficou amigo de artistas como Luis Buñuel e Salvador Dali . Aqui publicou seus primeiros poemas.
Grande parte dos seus primeiros trabalhos baseiam-se em temas relativos à Andaluzia (Impressões e Paisagens, 1918), à música e ao folclore regionais (Poemas do Canto Fundo, 1921-1922) e aos ciganos (Romancero Gitano, 1928).
Concluído o curso, foi para os Estados Unidos e para Cuba, período dos seus poemas surrealistas, manifestando desprezo pelo modus vivendi dos norte- americanos. Expressou o seu horror com a brutalidade da civilização mecanizada nas chocantes imagens de Poeta em Nova Iorque, publicado em 1940.
Voltando à Espanha, criou um grupo de teatro chamado La Barraca. Não ocultava as suas ideias socialistas e foi certamente um dos alvos mais visados pelo conservadorismo espanhol que, sob forte influência católica, ensaiava a tomada do poder, dando início a uma das mais sangrentas guerras fratricidas do século XX.
Intimidado, Lorca retornou para Granada, na Andaluzia, na esperança de encontrar um refúgio. Ali, porém, teve a sua prisão determinada por um deputado católico, sob o argumento (que tornou-se célebre) de que ele seria "mais perigoso com a caneta do que outros com o revólver".
Assim, no dia 19 de agosto de 1936, sem julgamento, o grande poeta foi executado com um tiro na nuca pelos nacionalistas, e o seu corpo foi jogado num ponto da Serra Nevada. A caneta calava -se mas a Poesia nascia para a eternidade. O crime teve repercussão em todo o mundo, despertando por todas as partes um sentimento de que o que ocorria na Espanha dizia respeito a todo o planeta... foi um prenúncio da Segunda Guerra Mundial.

17 comentários:

heretico disse...

assim a besta. - "pero no passarán!...

assim a vida "a las cinco de la tarde". breve...

gostei muito.

beijos

Pena disse...

Simpática Amiga:

Um texto fabuloso, quer na investigação, quer na dissertação.
Garcia Lorca foi um Ser Humano fantástico na luta pelos ideais que sempre defendeu até à sua morte violenta por defensores do obscurantismo político e ideologias descrentes.

Retive um pormenor:
"...mais perigoso com a caneta do que outros com o revólver..."
É bem elucidativo do seu enorme brilhantismo nas letras e na forma de gigantesca eloquência de lidar com elas no aspecto verbal ou no papel.

Excelente, amiga. Adorei!
Beijinhos

pena

Maria disse...

A net hoje é Lorca um pouco por todo o lado.
Para que não se esqueça.
Para que nunca mais.

Muito bonito o poema que escolheste...
... e antes das 5 da tarde deixo-te beijos, Isabel
Obrigada

Agulheta disse...

Isabel. "A las cinco da tarde" foi bonita a escolha,sabes estes poetas mexem comigo e com todos os que sabem pensar,obrigada.
Beijinho Lisa

aflores disse...

A cantiga(poesia) é uma arma!!!
Já não são cinco da tarde, mas é sempre hora de passar por aqui e ficar um pouco;)

Saudações do Norte:)

Ludo Rex disse...

Guardaremos a sua memória. Um dos grandes poetas do século XX e de todos os tempos.
Fiquemos com uma citação sua: “Mas o que vou dizer da Poesia? O que vou dizer destas nuvens, deste céu? Olhar, olhar, olhá-las, olhá-lo, e nada mais. Compreenderás que um poeta não pode dizer nada da poesia. Isso fica para os críticos e professores. Mas nem tu, nem eu, nem poeta algum sabemos o que é a poesia.”

Kiss

gaivota disse...

frederico garcía lorca, un hombre inolvidable, siempre!
linda homenagem minha amiga,
y as las cinco de la tardde volveré para donde ya lo sabrás!
beijinhos grandes

elvira carvalho disse...

Em 65 trabalhava em Lisboa num laboratório de produtos farmaceuticos. Tinha uma colega, uma senhora espanhola bem mais velha pois devia andar perto dos 50 anos. Mais do que colegas ficámos amigas. Foi essa senhora que me emprestou um livro do Frederico Garcia Lorca, que mo ensinou a ler, e me contou a sua história. E me deu a conhecer outros poetas espanhóis entre os quais Gustavo Adolfo Bécquer, e Rosália de Castro.
Um abraço e obrigada pela recordação que me despertou.

o escriba disse...

Isabel

Magnífica a tua evocação de Garcia Lorca! Um poema universal de dor e morte e talvez premonitório do fim do seu autor.


bjinhos
Esperança

Ana disse...

Podem (infelizmente) ter assassinado o Poeta... a sua Poesia, essa, é imortal.
Um beijo, amiga.

Jorge P.G disse...

Trouxeste aqui um dos maiores expoentes da poesia espanhola, um resistente indomável queusou a pena como arma com que assustou o poder.

"A cantiga é uma arma
Eu não sabia
Tudo depende da bala
E da pontaria"
Assim cantava o nosso J. Mário Branco uns bons anos depois. Mas para que a cantiga seja arma é necessário que a letra seja a pólvora. Com Gracía Lorca assim era, assim é.

Um abraço para ti.

papagueno disse...

Uma bela homenagem a um grande poeta, vitima do ódio franquista.
beijos

Maria Faia disse...

Querida Amiga,

Venho deixar-te um beijo amigo mimado em sol e doce mar.

Maria Faia

Espaço do João disse...

É sempre bom relembrar. Hoje muitos jovens não dão o valor às grilhetas que nos atavam de pés e mãos.
Agora falando de phisális:- É um pequeno arbusto que se dá em vários climas.Até entre pedras ele nasce. Sua reprodução pode fazer-se de estaca ou semente. Não é exigente nem em solos nem em quantidade de água. Suporta várias temperaturas e tem um sabor agridoce. Quando em compota aguenta muito tempo e seu licor é divinal.

gaivota disse...

mi amiga, te podría contar una cosa, à las cinco de la tarde de este día, el 20 pero no me vás a preguntar...
cosas muy malas...................
no te iva a decir!!!
talvez un día....~me acordé ahora mismo y como estamos en castellano...
hombre, por Dios!vamonos aldelante!
beos a tí, enormes y venga hasa achá...

ASPÁSIA disse...

GRANDE POETA MÁRTIR DA INCULTURA E IGNORÂNCIA FASCISTAS!
A CANETA É A ARMA MAIS TEMIDA PELOS QUE APENAS SABEM MANEJAR AS ARMAS DE FOGO E OUTRAS.

NUM DIA DE LUTO PARA A ESPANHA, EM QUE A LAS 5 DE LA TARDE DE HOJE JÁ TANTAS FAMÍLIAS ESTAVAM CLAMANDO PELA PERDA DOS SEUS...
O PREÇO PAGO PELA CIVILIZAÇÃO DA PRESSA!
O HOMEM QUER SER SENHOR DO TEMPO E DAS MÁQUINAS, FUGINDO à SUA ESSÊNCIA DE SER TERRESTRE. E A MÁQUINA, COMO O HOMEM, NÃO É INFALÍVEL.

BEIJO TRISTE, POIS TODA A HUMANIDADE É NOSSA FAMÍLIA.

Zé Povinho disse...

Grande! Em espanhol, ou melhor no original, é ainda melhor.
Lembrei-me de que por aí existe agora quem seja mais perigoso com a pistola do que com a caneta, ao contrário de Lorca.
Abraço do Zé