terça-feira, 30 de setembro de 2008

Eu Quero Escrever um Poema



Eu quero escrever um poema

mas de poucas palavras disponho

Penso no Mar

Também no amor

Naturalmente na saudade

Acrescento a amizade

E não pode faltar o sonho




Com cinco palavras

Vou continuar

O poema que quero escrever

Para vos oferecer



Prossigo a viagem

Sem pensar em paragem

Não, não quero desistir

Tenho mesmo que insistir



Agora chega a palavra pai

Depois associo-lhe mãe

E continuo a caminhada

Devagarinho, entusiasmada



Chega o tio Manuel

Que me ofereceu um anel

Na verdade ofereceu dois

Pelo casamento , pois!



Os anos passaram

E chegou o fruto

Um menino, o produto

De um longa história

Que está na memória



E a viagem prossegue

Chega, enfim,

Embrulhada em esperança

Outra criança


Esta sempre será

A música ideal

Numa casa onde afinal

É cada vez mais

A estrela calma

que dá vida e alma

aos avós e aos pais


Sophiamar

18 comentários:

pinguim disse...

Um poema diferente, daqueles que não é preciso ir cá dentro procurar neurónios para entender; claro. linear e puro...
Beijinhos.

Sophiamar disse...

Hoje,ao contrário do que nunca aconteceu, deixo o primeiro comentário. Tem um objectivo bem definido: tão só pedir-vos desculpa pela minha incursão desajeitada no mundo da poesia. Não me é estranho. Gosto de poesia e quase preciso dela como se de um alimento se tratasse mas não tenho, de todo, qualquer jeito. Não é poeta quem quer embora haja quem defenda que o poeta também se faz.
Acreditem que vou tentar melhorar mas não posso garantir que isso aconteça.
Perdoem-me a ousadia, pela segunda vez, e desculpem-me fazer-vos ler, tonterias minhas, em tempo de nostalgia.

Bem hajam!

As vossas palavras são gotas de orvalho numa alma que com o Outono perde alguma vontade de continuar.

Beijinhos

Maria disse...

E escreveste um lindo poema de amor e de amizade e de esperança, pois onde há uma criança tem de haver sempre esperança...

Beijinho, Isabel

Rosmaninho disse...

O poeta também se faz e... eu acrescento que quem quer é poeta.

Tu, já o és!
A tua Estrela calma dá-te vida e dá-te alma e, onde há vida e há alma, o poema faz o poeta.

Um beijo... outro à Estrela calma

lagartinha disse...

Eu queria escrever, mas não era um poema...era qualquer coisita, mas a malvadona ligação à Internet deu-lhe o badagaio durante uns dias!
Não peça desculpa, digo eu, que o poema está tão lindo!
Um beijinho que vou por aí pôr a escrita em dia...

Agulheta disse...

Sophia. Para se escrever poesia, basta sentir o lulsar do coração como estas palavras aqui.
Para ti
"Está no sorriso duma criança,
Ou nas rugas do ancião.
A poesia está numa boca de fome
Numa garganta ressequida
Nos calos de uma mão
A poesia
Está na lucidez dos que falam
E no sono dos que dormem.
A poesia,
Está no mito e no rela,
Dos gestos de cada homem"

Com beijinho Lisa

elvira carvalho disse...

E o poema saíu. Para mim muito bonito,uma aguarela de uma vida. em cores que aquecem o coração.
Tenho um amigo que é poeta, mas que quer ser escritor profissional. Frequenta um curso para isso e diz que um dos professores dele lhe disse que um poema, é 10% de inspiração, e 90% de suor.
Um abraço

Graça Pires disse...

As palavras que se sentem, que se vivem, que se dizem...
Um beijo, minha Amiga.

o escriba disse...

Isabel

Amiga, que ternura de poema! Uma borboleta pousando em cada uma das fases dessa caminhada!
Gostei muito. É certo que não é poeta quem quer, mas também é certo que o poeta faz-se. Em qualquer dos casos tem de ter o mais importante - o Amor dentro de si. E isto, minha querida amiga, tens muito, muito.

bjinhos
Esperança

gaivota disse...

um poema simples, sincero, ditado pelo coração e direitinho para a linda princesinha...
uma história de vida assim na simplicidade das letras soltas...
um(a) neto(a) é a melhor alegria, a melhor ventura da vida, não é isabel???
é o amor, é a vida, é a esperança e a fé num mundo melhor!
beijinhos, muitossssssssssssssss
e nessa sobrinha neta, um beijão...

ASPÁSIA disse...

PALAVRAS DO CORAÇÃO
QUE VIAJAM ATÉ NÓS
ESCRITAS PELA TUA MÃO...
SÃO VERSOS DE VIVA VOZ!

TANTOS MOTIVOS PARA TE ALEGRARES E ESTÁS TRISTE, AMIGA, SÓ PELO OUTONO? ASSIM NÃO VALE!

BEIJINHO GRAAAAANDEEEE !

a guardiã disse...

é o calor da amizade, da cumplicidade e o amor que aquecem uma casa, e nem o vento do outono ou o frio do inverno conseguem arrefecer o calor do sentir que lá reina...

poeta é quem sente...

um beijo doce com carinho

jo ra tone disse...

. Muito bem Isabel,
Gosto de entender a ideia à primeira vista.
Bem basta o esforço, o tempo que se leva para entender o que estou a aprender.
Belo poema
Amistoso beijinho

Vb disse...

Olá Isabel!

Gostei destas tuas incursões poéticas.
Apesar de poesia não ser um tema em que me sinta particularmente à vontade, aprecio tudo e todos aqueles que dessa forma conseguem transmitir o que a alma lhes murmura.
Tenho andado um pouco arredado da blogosfera. Alguns problemas não me têm dado a tranquilidade, a inspiração e motivação suficientes para escrever ou comentar. Tenho somente visitado em silêncio todos aqueles em que ao longo dos tempos me habituei a sentir como que em casa.
Penso que em breve ultrapassarei essa situação e voltarei. Até lá tudo de bom para ti e para todos teus.

Um beijinho de todos nós.

Vitor

Zé Povinho disse...

Uma nova vida é sempre motivo de alegria, duas ainda mais, por isso não admira que a poesia brote.
Mais do que o estilo ou a métrica, o sentimento é que é o essencial.
Abraço do Zé

Brancamar disse...

Olá Isabel,

Que lindo e terno poema!
Um Hino à Maria, pois!
tem uma avó talentosa e é concerteza atua grande fonte de inspiração.
Beijinhos.

Jorge P.G disse...

Abençoada seja a casa onde reina o amor e a harmonia!

Um abraço para ti, colega e amiga.

amigona avó e a neta princesa disse...

Hoje vim matar saudades e encontro um poema tão bonito!
Não te quero triste...basta ver aí a Rosmaninho...sorri minha querida...