domingo, 4 de setembro de 2011

Os Girassóis do Alvor





Gosto de girassóis e estes do Alvor
são bonitos entre o branco e o rosa
dos aloendros. Hei-de voltar aqui
um dia só para lavar os olhos
nas águas novas desta luz antiga,
demorar nas areias e na espuma
o olhar trabalhado pelo lume.

Eugénio de Andrade




12 comentários:

BRANCAMAR disse...

Delicioso o Eugénio de Andrade, sempre.
Obrigada por este momento belo.
Bem-hajas.

Beijinhos Isabel
Branca

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá, gostei da fotografia e do poema...Espectacular....
Cumprimntos

pinguim disse...

Eugénio de Andrade a falar de girassóis...e do Alvor.
Não conhecia.

Vieira Calado disse...

Olá, tudo bem?

Muito grato pelos amáveis votos em relação ao Algarve Ontem.

Beijinhosss

Zé Povinho disse...

Os girassóis são sempre magníficos e os do Eugénio por maioria de razões.
Abraço do Zé

tecas disse...

Belos são os girassóis do alvor homenagiados pelo grande Eugénio de Andrade.
Um belíssimo post.
Bjito e uma flor, querida Isamar.

Lilá(s) disse...

Também eu hei-de lá voltar, para já delicio-me com a imagem.
Bjs

Graça Pires disse...

Fabuloso o poema de Eugénio de Andrade que também nos lava a alma...Obrigada.

São disse...

Eugénio tinha o Sol dentro!

Um abraço grande e grato.

rui disse...

Olá Isa!

Gosto de girassóis e claro, do Eugénio!

Deixo um abraço

Luis Eme disse...

bela surpresa, girassóis dentro de um poema sulista, de um poeta quase do norte.

beijinho Isamar

BlueShell disse...

Que bom reler Eugénio de Andrade! Grata, BJ