sábado, 10 de maio de 2008

Aristides de Sousa Mendes

Aristides de Sousa Mendes nasceu em Cabanas de Viriato ( Viseu) a 19 de Julho de 1885 e faleceu em Lisboa a 3 de Abril de 1954. Foi um Defensor da Liberdade que se recusou a seguir as ordens de Salazar, concedendo vistos a refugiados de todas as nacionalidades que desejavam sair da França, em 1940, ano em que foi invadida pela Alemanha Nazi na Segunda Guerra Mundial. Salvou dezenas de milhares de pessoas do Holocausto.
Em 1907, após a licenciatura em Direito pela Universidade de Coimbra, foi viver para Lisboa tendo, posteriormente, ocupado diversas delegações consulares portuguesas pelo mundo fora: Zanzibar, Brasil, Estados Unidos da América... Em 1929 foi nomeado Cônsul-Geral em Antuérpia e aí ficou até 1938. Foi condecorado por duas vezes pelo rei Leopoldo III, da Bélgica, tendo-o feito oficial da Ordem de Leopoldo e comendador da Ordem da Coroa, a mais alta condecoração belga. Durante o período em que viveu na Bélgica, conviveu com personalidades ilustres como o escritor Mauric Maeterlinck, Prémio Nobel da Literatura e o cientista Albert Einstein, Prémio Nobel da Fisica. Depois de quase dez anos de serviço na Bélgica, Salazar, presidente do Conselho de Ministros e Ministro dos Negócios Estrangeiros, nomeou Sousa Mendes cônsul em Bordéus.






Sousa Mendes e a família


Quando as tropas de Hitler avançaram sobre a França, Salazar manteve a neutralidade de Portugal e ordenou aos cônsules portugueses espalhados pelo mundo que recusassem conferir vistos às seguintes categorias de pessoas: "estrangeiros de nacionalidade indefinida, contestada ou em litígio; os apátridas; os judeus, quer tenham sido expulsos do seu país de origem ou do país de onde são cidadãos".

A Quinta de Sousa Mendes

Entretanto, em 1940, o governo francês refugiou-se temporariamente em Bordéus, fugindo de Paris antes da chegada das tropas alemãs e o mesmo fizeram dezenas de milhares de pessoas. Muitos deles dirigiram-se ao consulado português a fim de obter um visto de entrada para Portugal ou para os Estados Unidos onde Sousa Mendes, o cônsul, caso seguisse as instruções do governo distribuiria um número restrito de vistos.
Já no final de 1939, Sousa Mendes tinha desobedecido às instruções do governo e emitido alguns vistos. Entre as pessoas que ele tinha então decidido ajudar, encontrava-se o Rabino de Antuérpia, Jacob Kruger, que lhe fez compreender que devia salvar os refugiados judeus.
A 16 de Junho de 1940, Aristides decide entregar um visto a todos os refugiados que o pedissem.

Com a ajuda dos seus filhos ( catorze) e sobrinhos e do rabino Kruger, ele carimba passaportes, assina vistos, usando todas as folhas de papel, disponíveis.
Entretanto, Salazar tomara medidas contra o cônsul Aristides mas este continuou a sua actividade de 20 a 23 de Junho em Baiona (França), no escritório de um vice-cônsul e mesmo na presença de dois outros funcionários de Salazar. A 22 de Junho de 1940, a França pediu um armistício à Alemanha Nazi. Mesmo a caminho de Hendaye, Aristides continua a emitir vistos para os refugiados que se cruzam com ele a caminho da fronteira, uma vez que a 23 de Junho, Salazar demitira-o de suas funções de cônsul.
Apesar de terem sido enviados funcionários para trazer Aristides, este lidera com a sua viatura uma coluna de veículos de refugiados e guia-os em direcção à fronteira onde, do lado espanhol, por não existir telefone, os guardas fronteiriços não tinham sido ainda avisados da decisão de Madrid de fechar as fronteiras com a França. Sousa Mendes impressiona os guardas aduaneiros, que acabariam por deixar passar todos os refugiados que, com os seus vistos, puderam continuar viagem até Portugal.
A 8 de Julho de 1940, Aristides encontra-se em Portugal onde foi punido pelo governo de Salazar: afastou Sousa Mendes do seu emprego diplomático por um ano, diminuiu em metade o seu salário e enviou-o, posteriormente, para a reforma. Para além disso, foi-lhe retirado o direito de exercer a profissão de advogado. A sua carta de condução, emitida no estrangeiro, foi-lhe retirada.
O cônsul e a sua família sobreviveram graças à solidariedade da comunidade judaica de Lisboa, que facilitou a alguns dos seus filhos os estudos nos Estados Unidos. Dois dos seus filhos participaram no Desembarque da Normandia.
Ele frequentou, juntamente com os seus familiares, a cantina da assistência judaica internacional,

Em 1945, Salazar felicitou-se por Portugal ter ajudado os refugiados, recusando-se no entanto a reintegrar Sousa Mendes no corpo diplomático.
Aristides de Sousa Mendes faleceu muito pobre, a 3 de Abril de 1954, no hospital dos franciscanos em Lisboa. Não possuindo um fato próprio, foi enterrado numa túnica de franciscanos.


( Adaptado do Google)

59 comentários:

Daniel Aladiah disse...

mais uma homenagem merecida!
Um beijo
Daniel

Agulheta disse...

Sophia.
Adorei este post,do homem que ninguém reconheceu o que ele fez,mais ainda no antigo regime era o que sabia,depois de Abril se consegue eleger um ditador para o melhor português e este homem?como podem esquecer,nem sei que te diga.
Beijinho e bfs e passa no mar de chamas tens algo para ti Lisa

herético disse...

"estrangeiros de nacionalidade indefinida, contestada ou em litígio; os apátridas; os judeus, quer tenham sido expulsos do seu país de origem ou do país de onde são cidadãos". assim falava o "Manholas"...

fazes bem lembrar. para que a memória não se apague...

abraços

Zé Povinho disse...

A pequenez de um regime que caiu de podre.
É sempre justo relembrar homens com H grande.
Abraço do Zé

elvira carvalho disse...

Olha que bom a Sophia voltou. E voltou homenageando um Homem com agá grande. Este eu conheço. Quando há anos estreou o filme "A lista de Shindler" - provavelmente não se escreve assim, mas a verdade é que não sei muito bem como se escreve - procurei saber quem era Aristides de Sousa Mendes. E li tudo o que encontrei sobre o assunto.
E como vai a princesinha? Ontem foi dia 15...
Bom fim de semana.
Um abraço

o escriba disse...

Amiga Sophiamar

Fazer o bem sem olhar a quem foi, certamente, o lema deste homem que, fazendo jus à curta memória dos homens, morreu como Francisco de Assis:pobre e coberto de estamenha. Grandes lições com as quais nunca aprendemos!
Este é um post de elevada categoria e que nos traz também à lembrança a figura de Irena Sendler que nos deixou há poucos dias.
bjs
Esperança

Luis Eme disse...

um senhor admirável, em qualquer parte do mundo, inclusive no nosso país...

abraço Sophiamar

Ludo Rex disse...

Muito bem Amiga. Merecida homenagem. Um Homem de valor e convicções...
Kiss e Boa Semana

anamarta disse...

Sophia
Origada pelas palavras que deixastes no meu blog. Vindas de ti são importantes e um estimulo para mim.
Voltaste em grande! Justíssima homenagem que fazes a um Homem que tantas vidas salvou, sacrificando a sua carreira e futuro. Factos que são infelizmente, desconhecidos da maioria dos portugueses!
beijinhos

Maria disse...

Merecida homenagem a que prestas a Aristides de Sousa Mendes.
Excelente post. Para que não se apague a memória...

Beijinhos, Isabel

António Inglês disse...

Bom dia Sabel!
Desculpa dar-te os bons dias assim mas é a forma de te envolver num abraço fraterno. Era assim que minha avó tratava a irmã, com um tom carinhoso e familiar.
Aristides de Sousa Mendes foi mais um dos muitos que se opuseram a Salazar, acabando sempre por pagar caro a factura dessa afronta, mas foi e é de homens como ele que se fez e continua a fazer a História do nosso cantinho à beira mar plantado.
Pena que não saibamos dignificar a memória destes Bravos como eles mereciam.
Deixo-te um beijinho de bom fim de semana. Guarda alguns para a "nossa" princesa Algarvia, a Maria que deve estar lindérrima.
Não te disse, mas estivemos aí em Lagoa no passado dia 13 de Maio, dia de Nossa Senhora de Fátima que é para nós especial pois é o dia de aniversário da Marta. 30 anos!
Isto anda a fugir depressa demais...
Mais beijinhos e um forte abraço de amizade.
António

Pena disse...

Genial e linda Amiga de sonho:
UM "Homem" com um H GRANDE, este Senhor.
A imensa solidaridade que tomou em toda a sua vida é de um Ser Humano exemplar, correcto e muito profundo de significação.
Oh, Amiga Sophiamar, quanta procura a conduz ao bem, à amizade, à ternura e paz entre as pessoas, à sua admirável e notável capacidade literária e de dar vida ao sonho belo das gentes que sonham o seu sonho. Sentem o seu sentir.
Os meus sinceros e sentidos agradecimentos pela doçura gigantesca do seu enorme coração lindo.
Se ele fosse vivo dar-lhe-ia um beijo de agradecimento e gratidão pela forma como retracta a vida de todos nós com o seu peculiar modo lindo de o fazer,
Doces parabéns sinceros.
Quanta amizade e solidariedade suportam esse coração repleto de ternura e carinho?
Sem mais pela comoção de deslumbre.
Beijinhos(Muitos!) Desculpe!
O amigo que a estima e a remete para os seres divinais que não existem no mundo, mas você existe.

pena

Sophiamar disse...

Daniel Aladiah

A tua presença aqui é-me sempre muito grata.
Obrigada pelas palavras. Não esqueçamos estes vultos da Liberdade.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Agulheta

Infelizmente , Aristides Sousa Mendes ainda não é conhecido como merece. Não o esqueçamos nós.

Beijinho

Sophiamar disse...

Herético

Vê só a linguagem desse "manholas" que se sentia bem "orgulhasamente só".
Não deixemos apagar estes momentos em que tantos, injustamente, sofreram.

Beijos

Sophiamar disse...

Zé Povinho

E não deixemos que, apesar de podre, frutifique. Alerta estejamos!

Beijo

Sê bem-vindo!

Sophiamar disse...

Elvira, Amiga!

Está bem escrito, sim, amiga. Mas ainda que não estivesse errar é humano. Nós temos alguma tendência para fazer comparações e assim como Shindler salvou muitos judeus empregando-os nas suas fábricas, Irena Sendler, que morreu há poucos dias, é considerada a Shindler polaca por ter salvado 2500 crianças das mãos dos criminosos nazis.

Deixo-te beijinhos acompanhados do desejo de melhoras do teu pai.

Bem hajas, Elvira!

Sophiamar disse...

Esperança

Agradeço as tuas palavras, colega!
É verdade, Irena Sendler, a polaca que salvou milhares de crianças de morrerem nas mãos dos criminosos nazis, morreu há poucos dias.
Bjos amiga

Bem hajas!

Vai passando

Sophiamar disse...

Luis Eme

Um Senhor a não esquecer. Façamos jus ao seu nome.

Beijo

Sophiamar disse...

Ludo, Miguito!

Um homem de convicções, dizes bem. Destes, não podemos esquecer porque quem luta pela Liberdade é um fazedor de vida.

Beijinhos

Bem hajas!

Sophiamar disse...

Anamarta

O teu blogue é um dos que visito com muito gosto, um espaço de referência na blogosfera.
Não tens que me agradecer, és uma mulher de valores, daqueles que partilho e pelos quais luto. Intransigentemente.

Bem hajas!

Beijo

Sophiamar disse...

Maria

Há momentos, há pessoas inesquecíveis e que não podemos deixar que o tempo os apague.Deverão fazer parte da nossa memória colectiva para que jamais frutifiquem.

Um beijo

Sophiamar disse...

António

A tua passagem pela minha casa é um prazer. Sabes quanto gosto de ti, quanto tenho sentido o teu apoio que jamais esquecerei. Sei dos valores que te guiam, dos valores que transmites aos teus e ler o teu comentário é um momento de amizade.
Este e outros homens, que ousaram enfrentar Salazar pagaram bem cara a sua ousadia mas destes precisamos nós e não os poderemos esquecer.
Prestemos a Sousa Mendes a homenagem que merece.

Beijinhos Querido amigo.

Com que então, aqui tão pertinho. Um dia temos de nos encontrar. Esta algarvia marafada estima-vos muito.

Sophiamar disse...

Pena, Estimado Amigo:

Não sei como agradecer as tuas palavras.Deixas-me sem jeito com tantos elogios mas a tua passagem por aqui é-me muito grata. És bem vindo, amigo colega.

Deixo-te muitos beijinhos e um fraterno abraço.

J. Stocker disse...

A timoneira de "a ver o Mar", tem sempre um saber e cuidado em escolher as suas rotas, como se tem observado no passado e no presente! As suas singraduras são firmes e incutem confiança e admiração na sua tripulação, atenta e amiga!
Aristides, descansa no sossego das Ilhas dos Homens Grandes, e a minha amiga,foi sábia, em levar-nos a visitá-lo no seu paraíso.

Bem haja
Um abraço

Sophiamar disse...

J.Stocker

As suas palavras são sempre um incentivo para continuar . Esta timoneira, que tem velejado à boleia, gosta de navegar contra ventos e marés. Foi à bolina que se fizeram grandes descobrimentos marítimos e foi também remando contra ventos e marés que a Liberdade foi hasteada em Abril. Aristides, Shindler e Irena Sendler, que morreu há poucos dias, pouparam a vida a muitos judeus. Que a nossa memória os deixe perdurar no tempo e saibamos entregar este espólio de lutas feito às gerações vindouras.

Bem haja

Um beijo

Jorge P.G disse...

Ena que venho tão tarde e já está a casa cheia de gente, hehehehe!....
Ainda bem, pois tanto tu como o Aristides de S. Mendes marecem-no!

Um grande coração o desse homem! Um humanista que ganhou o respeito de milhões de pessoas.

P.S. (salvo seja!) - Então era esta a surpresinha que me anunciaste, hein? "Botaste" a Whiskers desta semana aqui no teu blogue. Sua marafade!...

Hehehehe!...
Obrigada, amiga, és uma compincha!


Agora, vou ver a Taça de Inglaterra em futebol, para ver se assisto a um jogo a sério, embora este ano seja entre dois parentes pobres, o Portsmouth e o Cardiff City, de Gales.

Um abraço e um sorriso.

Sophiamar disse...

Jorge:

Pois é Jorge, a casa tem muita gente e toda gente de bem.Essa é sempre bem vinda e eu não tenho razão de queixa. Aqui há uma roda de amigos e amigas,alguns deles comuns que muito estimo e sei que o contrário também é verdadeiro.
Hoje, decidi anunciar a publicação da WHISKERS, a revista mais barata do mercado. Vê lá se não fica toda catita?
Quanto a Aristides de S. Mendes ficará entre os grandes. Vestido de estamenha, na mais profunda pobreza, desceu à terra mas deixou bem altos os seus dons de grande humanista.
Diverte-te, vê esse jogo que apesar de não ser disputado entre os grandes deve ser melhor que os nossos. Eu vou para um lanche de caracóis.Valha-me Santo Ambrósio. Vai ser uma barrigada de pão com manteiga.
Beijo

gaivota disse...

querida isabel,
ando tão sem tempo... desde que regressei das minhas princesinhas, outros afazeres me aguardavam..., nem à nha praia, fui lá, a correr num bocadinho...
a tua princesa já está com 2 meses, né?... deve estar linda, agora começam outras gracinhas...
(ando a preparar mudanças, é terrível! já quase não me lembrava, organizar caixotes, etc etc...)
uma lindíssima homenagem e mais que merecida que aqui deixas a um grande homem!
para ti, minha amiga, beijinhos grandes

zef disse...

Olá, Sophiamar.
Julgo que vai continuar a ser difícil preservar certas memórias.
Recordo o que a TV mostrou, há pouco tempo, o que aconteceu em Vilar Formoso à chegada de pessoas e sinais que pretendiam recordar Aristides. Pelo que conheço e pelas caras que vi...Aristides ficaria zangado...Até eu fiquei!
Beijos

MPS disse...

Um fica na História porque tinha o poder. O outro fica na História porque era gente. O primeiro é um cepo, enquanto o segundo é uma árvore no jardim dos justos.

Um abraço e obrigada por esta homenagem

Sophiamar disse...

Gaivota, Princesa do Mar

Não te aflijas, amiga. Vai passando quando puderes.Eu espero o tempo que for preciso. Conto com a tua amizade.

Beijinhosss Grandes

Sophiamar disse...

Gaivota

A princesa está linda mas ainda não tem a gracinha dos teus. Tu sabes. São os nossos amores. A seu tempo tudo virá. Irei contando.

Bjinhos

Sophiamar disse...

Zef

Infelizmente amigo,também não gostei do que vi.Espero que consigamos preservar a memória daqueles que sempre quiseram instalar nesta terra, de imperfeições feita, o paraíso apregoado para outros lugares menos terrenos.Continuemos a lutar embora a desesperança , por vezes, nos possa tolher a vontade de lutar por essa sociedade humana, equilibrada,justa.
Vai passando, Zef.
Bem hajas, pela visita.
Um beijo

Sophiamar disse...

mps

Congratulo-me com a sua visita que, como sabe, sempre me honrou muito.
Quanto ao cepo e à árvore que refere, ambos ficam na História mas as memórias que deles guardamos são bem diferentes.Espero que do cepo não brote rebento que vivifique. A árvore deixou ramos que hastearam rubros cravos. Não deixemos que algum machado os corte.

Um abraço

Filoxera disse...

Este é um dos homens a quem só a posteridade vem dar destaque, e não tanto como merecia.
Manda notícias em via paralela uando puderes, sim? Foi bom ver-te de volta à blogosfera.
Um xi grande.

Espaço do João disse...

Minha querida amiga.
Ainda há muito pulha á solta. Só aqueles que sempre tiveram o que queriam e entendia certamente votaram no botas. Eu não votaria nele nem que o diabo me pedisse. Sei o que passei e, por muito que me custasse, antes viver na maior miséria mas em democracia do que viver em opulêmcia e, em ditadura. Que seria de nós se hoje esse tirano ainda mandasse? Certamente que não podia estar aqui com esta pequena mensagem. Não conheço quem está do outro lado!!! Isto era o mesmo que dizer que não era necessário arrombar a porta para os torcionários me virem buscar. Belo texto e não deixemos cair no esquecimento todos aqueles que de uma forma ou de outra tudo fizeram para que hoje possamos respirar LIBERDADE... Bom fim de semana. João

Maria Faia disse...

Querida Amiga,

Venho deixar-te um beijo amigo e fraterno e desejar-te um feliz fim de semana.

Maria Faia

amigona avó e a neta princesa disse...

Deixo-te um abraço, deixo-te mil beijos de ternura...grande homenagem minha querida! Mas tenho saudades TUAS! Das tuas palavras, dos teus poemas...bom domingo...

Sophiamar disse...

Filoxera

Espero e desejo que a memória dos homens, muitas vezes curta, faça justiça àqueles que lutaram pelos mais altos valores humanos.

Amanhã escrever-te-ei.

Beijinhos

Sophiamar disse...

João, Amigo!

Fui educada por um pai que se norteou por valores humanistas,sempre lutou intransigentemente por eles e ensinou-me que não há maior bem no mundo do que a Liberdade.

Lutemos sempre, amigo. Estou ao teu lado!
Beijos

Sophiamar disse...

Maria Faia

Agradeço e retribuo o beijo fraterno e desejo-te um bom fim de semana.


Bem hajas!

gaivota disse...

sophiamar
minha querida, podes contar sempre com a minha amizade!
há coisas que vou aprendendo, gente que vou conhecendo, até pessoalmente, é como em todo o lado, gente de bem dignas de toda a amizade e admiração.
depois há as outras, trapaceiras, mentirosas, sem escrúpulas nem dignidade, verdadeiros embustes, que um dia serão desmascarados publicamente!
beijinhos grandessssssssss

Sophiamar disse...

Amigona, Querida Amiga!

Com o tempo voltarei aos poemas, às palavras, aos posts. Não deixei de ser quem era. Tenho a casa cheia de amigos e amigas, que muito prezo, que muito respeito e a quem com gratidão agradeço a sua presença. Tu és uma delas. Sabes que sim.

Beijinhossss

Sophiamar disse...

Gaivota,Princesa Amiga!

Obrigada, querida amiga!
As palavras que acabaste de escrever chegaram na hora certa pela amiga certa. Estava a dizer à amigona quanto grata fico aos amigos e amigas que aqui estão na minha casa. Não deixei de ser quem era. Nunca convivi com a hipocrisia, com o discurso vitimador,insidioso, torpe. Sou eu própria em qualquer lugar.Com a consciência tranquila aqui continuo de alma e coração.
Bem hajas, Gaivota amiga. Tens sido um ombro indispensável.

Beijinhos

ASPÁSIA disse...

UM GRANDE HOMEM, QUE PÔS OS OUTROS À SUA FRENTE E DA SUA PRÓPRIA FAMÍLIA !
E NEM UM FATO TEVE PARA A SUA ÚLTIMA VIAGEM!... É IMPRESSIONANTE!!!


JÁ OUVI O TEU POST ASSIM OU MELHOR AINDA, POIS A GRAVAÇÃO MP3 RETIRA QUALIDADE À LEITURA EM DIRECTO!


CASO O HOTLINK NÃO FUNCIONE...

http://aspasia14.angelfire.com/A_S_MENDES_SOPHIAMAR.mp3

TEM SIDO DIAS DE PIRATANÇO NO EMULE, AGORA PARA OUVIR UM BLOG É SO CLICAR NUM BOTÃO, COM O PROGRAMA "TEXTALOUD".

BOM DOMINGO, ISABELITA!

avelaneiraflorida disse...

Querida SOPHIAMAR,

Uma EVOCAÇÂO mais do que justa!!!!!
Quando falo aos meus "besouros" sobre este homem...ficam espantados!!!! Nunca ouviram falar dele!!!!
Pois que a MEMÒRIA seja RELEMBRADA E PARTILHADA!!!!
PARA QUE NINGUÈM ESQUEÇA!!!!

Brigados, por este post!!!
Bjkas!!!

Sophiamar disse...

Aspásia, Querida:

Ouvi a senhora brasileira e reconheço que não é o mesmo que ler directamente o post mas os teus olhos beneficiam com isso e há que poupá-los. São preciosos. Tu és, todinha, uma pedra preciosa que eu guardo na caixinha dos meus tesouros.

De homens como este, que hasteiam pendão pela Liberdade, precisamos sempre. Temos de os acarinhar.

Que a memória nunca nos traia.

Beijinhossss Miguita!

Sophiamar disse...

Avelaneira Florida

Dizes bem, amiga, " Para que ninguém esqueça." Que a memória nunca nos pregue essa cilada. Transmitamos às gerações vindouras que a Liberdade é um bem precioso e que houve homens que por ela sempre lutaram.

Beijinhossss

O Guardião disse...

Vim ver o mar e apreciar uma homenagem a um homem íntegro e solidário, que naturalmente não podia ser do agrado do regime.
Bom domingo
Cumps

Vb disse...

Olá Isabel, tudo bem?

Aristides foi sem dúvida um grande HOMEM. Há tempos atrás fiquei pasmo quando naquele Concurso dos grandes portugueses ouvi uma figura de vulto da nossa história atacá-lo e atacar e menosprezar a sua obra.
Enfim...
A figura em causa, apesar da sua grande cultura e obra ainda foi, penso, ministro no antigo regime.
Então e os caracóis estavam bons?

Beijinho e tudo de bom!


(Hoje vou colocar novo texto...Talvez tenhas conhecido a pessoa de quem vou falar...)

Vitor Barros

Sophiamar disse...

Guardião

O mar fala de um homem íntegro que não recebeu o agradecimento que lhe era devido.
A vida tem destas coisas.
Beijinho

Bom Domingo!

Sophiamar disse...

Vítor:

Também vi, amigo, e sei bem de quem estás a falar. Felizmente que muitos outros existem que não deixam que estes grandes humanistas caiam no esquecimento.

Já lá fui.

Comentei o post mas penso que será outra a pessoa que referes.

Beijinhossss

Tem um bom Domingo!

Graça Pires disse...

Homenagem mais que merecida a este grande português, que o regime tão maltratou. Um beijo.

Lana disse...

Olá sophiamar
vim desejar-te uma optima semana
1 sorriso mto luminoso
Lana

SILÊNCIO CULPADO disse...

SOPHIAMAR
Nunca é demais falar de Aristides Sousa Mendes um homem que pôs a sua consciência acima dos seus interesses. Um homem que salvou 30.000/40.000 vidas e que depois de viver uma vida esplendorosa morre na maior das misérias. Mas o que é espantoso nele é que nunca se arrependeu. Apesar das dificuldades e da separação dos filhos que foram proibidos de estudar nas universidades portuguesas, Aristides Sousa Mendes considerou que apesar de ter pago um preço tão elevado pelo seu acto mesmo assim tinha valido a pena. Que vale a vida dum homem perante tantas que tinha salvo?
Enquanto houver exemplos como este, vale a pena acreditar na humanidade.
Anualmente chegam excursões de judeus, familiares de outros que o Aristides salvou, a Cabanas de Viriato. Plantam uma laranjeira num espaço que lhe é dedicado.No entanto Aristides salvou muitas vidas que não eram de judeus. Ele carimbou durante três dias e três noites passaportes com a ajuda de dois dos filhos.Eram os que lhe levavam ele nem via de quem eram. Era uma vida que era preciso salvar. Só isso importava.

Abraço

Sophiamar disse...

Graça Pires

Madrasta pátria a que não beija os seus filhos.
Era o tempo dos "manhosos".

Que a memória não nos traia.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Lana

Sê bem vinda!Esta casa tem as portas abertas para te receber.

Beijos

Sophiamar disse...

Silêncio Culpado

Agradeço a tua presença neste blogue onde uma pessoa como tu é sempre uma mais-valia em qualquer blogue.
Quanto a Aristides e outros grandes humanistas acreditaram no sonho que com eles nasceu: Lutar pela Liberdade. " O Homem nasceu livre e deve permanecer livre..."

Pela Vida, pela Justiça, pela Liberdade, pela Verdade continuemos a lutar. Tal como ontem, hoje e amanhã.

Beijinhos

Bem hajas!