quarta-feira, 18 de junho de 2008

Vida Fácil ou Difícil?

As Meninas de Avignon ( Picasso) A família está em mutação. O direito à felicidade individual levou à democratização dos afectos e raros são os casos em que a partilha do leito conjugal dura o tempo de outrora. "Aguentar" a mesma pessoa noites a fio a respirar ao nosso lado parece ter passado de moda. É necessário manter o filtro do desejo, dizem, por muito mais tempo sob pena da dissolução definitiva do casamento. Por isso, casa-se cada vez mais tarde. Apesar do cheiro confortável do companheiro ou companheira, parece estar a perder-se a paciência para se sentir a cara dele ou dela junto do nosso pescoço, a mão pousada na coxa, o corpo nu encostado ao nosso. O jogo da sedução, preparar a roupa para o/a surpreender, usar aquele perfume que o/a deixa com os lábios colados ao nosso pescoço tende a desaparecer. Dizem-me que o stress da vida moderna o explica mas não fico convencida.Sexo e erotismo estão em pólos opostos e fazer sexo só por sexo, chega a ser indecoroso. Neste emaranhado de contradições sentimentais que ocorrem nos tempos de hoje, lembrei-me das mulheres de vida fácil. Tempos em que a traição era prato do dia. Hoje, apesar de tudo, a democratização afectiva não permite que esta situação sobreviva por muito tempo. Tão atractivas segundo uns, tão repelentes segundo outros, as mulheres de vida fácil há-as para todos os gostos e bolsas. Como se de mercadoria se tratassem! Em hotéis, pensões, quartos mais ou menos esconsos tudo serve para umas horas de" prazer". Sempre ouvi falar delas e recordo algumas, cujo nome não cheguei a conhecer e a quem ouvia chamar " mercadoria de pouca monta". Há muitos anos, ainda menina de tranças e laçarotes, quando ouvia falar delas, pensava que se referiam às mulheres que nunca tinham sentido qualquer privação . O destino tinha-se encarregado de lhes dar tudo: carros, jóias, casas, férias no estrangeiro, estadias em hotéis de luxo... Mais tarde, no despontar da puberdade, ouvi falar da profissão mais antiga do mundo e associavam-na a elas, às mulheres de vida fácil. Já adolescente, contaram-me que havia casas próprias para exercerem a "profissão" onde estavam devidamente identificadas, numeradas como cabeças de gado pela polícia . Era o tempo do Estado Novo. Havia sempre quem as procurasse na expectativa de encontrar o amor, depois de uma traição inesperada ou depois de discussão que descambara no desenlace de um compromisso já assumido. Outros, sabendo estar a dar um passo pouco firme não resistiam ao apelo de uma aventura amorosa de curta duração. Uma hora ou pouco mais. A baixo custo. Era-lhes forte e irresistível este desejo. Pecaminoso para uns, legítimo para outros. Mais tarde, mulher/ menina, comecei a vê-las ao pôr-do-sol, à noitinha, à beira da estrada e em certas zonas da cidade, menos frequentadas, menos iluminadas, à espera de clientes. Eles não faltavam e elas, depois de uma noite de " trabalho", entregavam o produto da venda do corpo a um homem, o seu chulo. Filhos, se os tinham, viam-nos esporadicamente em casa das amas , sobretudo quando iam pagar a mensalidade. Hoje, dou comigo a pensar se isto é vida fácil. Sê-lo-á? O que as terá levado a tomar este rumo na vida? Gostar muito de sexo? Não acredito! Eu sou mulher e sei que poucas, muito poucas, estarão lá por esta razão. Muitas estão doentes, provavelmente com doenças sexualmente transmissíveis, tão más ou piores do que as de outrora e continuam a vender o corpo. Tenho o maior respeito por quem leva esta vida. Não se bebe esta taça de horror de ânimo leve. O sexo puro e duro é amargo e desagua-se nele , às vezes, quase sem se dar conta disso. Afinal, vida fácil ou difícil?
“La Prostituta”(Escultura em terracota, Martini Arturo [1889-1947)





Hoje, fiquei mais pobre. Um amigo, o António Inglês do http://porentremontesevales.blogspot.com/ , vai suspender a sua actividade na blogosfera. Esta saída, ainda que temporária, é mais difícil de suportar do que qualquer comentário menos simpático e/ ou educado. Um bocado de mim parte com os amigos até que um dia... parto também.


Beijinhos , António! Que tenhas saúde e sejas feliz!



68 comentários:

anamarta disse...

Isabel
Mais um tema social importante que hoje aqui nos trazes, para reflectirmos na maneira simples e rápida como muitas vezes julgamos, sem conhecer as histórias tristes de abandono, necessidades, maus tratos, que estão por detrás dessas opções.Vida fácil não é! há uma fase da nossa vida que acreditamos nisso, pois a descrição da profissão é enganadora! mas depois vamos acordando para a realidade e só nos resta ter respeito pela opção de vida quantas vezes forçada que essas mulheres fizeram.
(a propósito das prostitutas,conto-te uma história que aconteceu comigo. A minha filha era pequenita, (5 anos +/-) e eu e o pai estávamos precisamente a falar de prostitutas, e ela perguntou-nos o que era, nós na altura respondemos que era uma mulher que tinha muitos namorados, e ela perguntou, então o meu tio é prostituto? ele tem sempre muitas namoradas!).
beijinhos e boa noite

MPS disse...

Vida fácil, só na perspectiva dos homens que delas se servem como nacos de carne.

A realidade lia-a em "Puta de Prisão", de Isabel do Carmo, que escreveu a obra durante a ditadura, quando estava presa em Custóias. Foi um murro no estômago.

A realidade das prostitutas deve manter-se igual - talvez se dediquem menos a iniciar sexualmente os rapazolas, mas felizmente, creio que haverá muito menos pessoas a desprezarem-nas enquanto seres humanos.

Gostei de ver a sensibilidade com que abordou o assunto.

Um abraço

heretico disse...

tema perturbador.

"quem nunca pecou que atire a primeira pedra..."

peço desculpa "evocação" bíblica...

espero que esteja tudo bem consigo.

elvira carvalho disse...

É um tema difícil este. Penso que para a prostituição vão muheres por várias razões. Umas vão por necessidade, outras não. Lembro-me de ver uma reportagem sobre prostituição de classe. Meninas de boas familias, estudantes universitárias e até senhoras doutoras.
Não acredito que seja por necessidade.
Para temperar o corpo, para conseguirem uma joia, um carro etc.
Um abraço e boa noite

Lc disse...

Muito dificil, certamente...

Fernando Peixoto disse...

Lembrei-me de ti
e vim «espreitar».
Detive-me aqui
e queria ficar...
Mas o tempo acenou-me
com a pressa de sempre.
De novo parti.
Prometo voltar.
FERNANDO PEIXOTO

ASPÁSIA disse...

AMIGA ISABELITA!

CREIO QUE MUITAS DESTAS MULHERES, MULHERES COMO NÓS, AFINAL!, NÃO TÊM UMA VIDA NADA FÁCIL...
A GRANDE MAIORIA "ESCOLHEU" ESTA "PROFISSÃO", DECERTO POR FALTA DE MEIOS PARA SE MANTER DE OUTRO MODO, POR NECESSIDADE DE COMIDA, ABRIGO E ALGUM DINHEIRO. A MAIORIA DESTAS MULHERES NÃO TEVE EDUCAÇÃO OU ALGUNS ESTUDOS QUE LHE PERMITISSE ACEDER A UM EMPREGO.

A MAIORIA, PORQUE SEM DÚVIDA HAVERÁ ALGUMAS, QUE VÃO POR ESTES CAMINHOS PARA ACEDER A BENS DE LUXO, QUE DE OUTRO MODO NUNCA ALCANÇARIAM.

TENDO SEMPRE À ESQUINA A ESPREITÁ-LAS O ESPECTRO DA DOENÇA E ATÉ DA MORTE A QUE DIARIAMNETE SE ARRISCAM, POIS ATÉ MESMO COM MEIOS DE PROTECÇÃO QUE USEM, ESTES PODEM FALHAR E DADA A ELEVADA PROMISCUIDADE EM QUE VIVEM, MAIS CEDO OU MAIS TARDE VERÃO A SAÚDE DE UM MODO OU DE OUTRO ABALADA...

TRISTE VIDA A DESTAS MULHERES, AINDA AS QUE NELA SE JULGAM "FELIZES" ACTUALMENTE OU PELO QUE ACREDITAM VIR A ALCANÇAR NO FUTURO!

BEIJINHO GRANDE, AMIGUINHA

elvira carvalho disse...

Passei amiga. Deixo um abraço. E votos de tudo a correr bem.

Graça Pires disse...

Um texto corajoso minha amiga.
Haverá coisa mais difícil do que estar com quem não se escolheu? Claro que as mulheres podem sempre optar por outra vida... Será que podem? É um tema difícil e perturbante.
Um beijo.

Deusa Odoyá disse...

Oi minha amiga.
Vc. fala de um tema muito delicado, pois a prostituição são meros casos da vida.
pois tem mulhres que realmente não tem outra opação a não ser esta.
Mas acho que devemos respeitar.
Pois nesse pais, muitas não tem condiçoes de trabalho e nem de estudos.
Gerando uma procra errada para se manter ou mesmo a sua família.
Mas quem é certo nesse mundo.
beijos e voltarei sempre.
Da amiga do lado de cá.

Te aguardo o meu cantinho.

Sophiamar disse...

Anamarta

Um tema para reflectirmos. Falo daquelas que desaguam nesta vida por circunstâncias muito difíceis.

Por gosto, deve estar uma percentagem mínima. Não é dessas que falo.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Cara mps

Seja bem vinda! Vida fácil, só nesse aspecto poderá ser entendida. Também li esse livro da Isabel do Carmo. E jamais o esqueci.
Hoje, os rapazes já não iniciam com as prostitutas a sua vida sexual mas elas continuam e sabe-se lá o preço que estão a pagar.

Um abraço

Rui Figueiredo Vieira disse...

Olá, gostaria somente de lhe deixar os meus parabens por este fantástico blogue. Obrigado

Sophiamar disse...

Heretico

Um tema perturbador que não pode, apesar disso, deixar de ser falado.
Afinal ele existe.

Beijo

Sophiamar disse...

Elvira

Um tema forte e difícil de abordar. Falo da prostituta de rua, quase sem habilitações, que vende o corpo a troco de tostões, que desagua num destino de amargura.Muitas querem ajuda para sair.
Da outra prostituição, de luxo e para o luxo, não a refiro porque me repugna.

Beijinhos

Sophiamar disse...

lc

Vidas de miséria feitas.

Beijinhos

Bem hajas!

Sophiamar disse...

Fernando

A tua passagem por aqui deixa um rasto de alegria. Espero que essa pressa se atenue e possas deliciar-nos com os teus poemas.

Beijinhos

Bem hajas

Sophiamar disse...

Aspásia

Amiga, estas mulheres, afinal como nós, enveredaram por caminhos sinuosos, dolorosos, de incerteza feitos por motivos vários. Por solidão, falta de meios económicos, falta de habilitações, desilusões...
o certo, o certo é que muitas abandonariam esta vida se pudessem.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Elvira

Deixo-te um abraço apertado.Hoje é dia de tristeza. Um grande amigo está de partida. Com ele vai-se um bocadinho de mim.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Graça Pires

Será que podem? Perguntas bem. O apoio de toda a sociedade faz-lhes falta.

Beijinhos

Sophiamar disse...

deusa odoyá

Há mulheres que não têm outra opção. É verdade! Tambem penso assim.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Rui Figueiredo Vieira

Sê bem vindo!

Vai passando.

As portas estão abertas.

Beijinho

gaivota disse...

minha querida amiga, já só memxo com o automático ligado, é tudo em frente...
nem dá para te ler!, mas vou enviar 1 mensagem que pode ser importante para ti
agora é que posso dizer, "tà quase".........
falta o depois!
beijinhos millllllllllllll

elvira carvalho disse...

Passei. Deixo um abraço e votos de boa noite.

Sophiamar disse...

Gaivotinha

Não recebi mensagem.Andas cansadinha é o que é! Também eu, na rota final do ano, e em mudanças de tralha para o campo, começo a evidenciar sinais de fadiga. É o que dizem!

Beijinhossssssssssssssssssssssssss

Sophiamar disse...

Elvira, Amiga!

O cansaço de um ano de trabalho consecutivo, sem uma falta, os projectos findados, outros em elaboração trazem algum cansaço que evidencio.

Beijinhos e um grande abraço.

p.s. Tomei nota do email

Vb disse...

Olá Isabel!
Aproveito para desde já te desejar um bom fim-de-semana.
Gostei muito desta tua reflexão sobre este tema tão antigo. Ao ler este teu texto lembrei-me também de algumas histórias que ouvi contar sobre o tema.
Nos dias de hoje isso já não sucede pelo menos dessa forma, mas segundo sei, os nossos bisavós e avós iniciavam a sua vida sexual dessa forma, levados pelos pais que depois iam perguntar às meninas pelo desempenho dos seus herdeiros. Era uma forma de se prepararem e apresentarem-se como Homens perante uma situação de uma futura esposa.
Quanto a ser vida fácil ou não...Nuns casos será, em muitos outros não. Lucrativo é de certeza pois envolve milhões. Já reparaste nas centenas de anúncios que directa ou indirectamente, mais ou menos explícitos, preenchem páginas e páginas em todo o tipo de jornais?
Fico contente por teres gostado do texto da Cusquinha. Vou mandar-te uma foto dela a receber o prémio. Talvez conheças alguém presente. Quanto à sua publicação no Jornal tenho de ver a possibilidade. Ela já publicou alguns textos e inclusive neste número tem um pequeno artigo do Director elogiando-a. Ficou toda acabrunhada…Tenho de ver a questão dos direitos de autor pois ela ao participar acho que no regulamento dizia que cedia os direitos do texto aos organizadores do concurso.
Mais uma vez ficam os meus desejos de um bom fim-de-semana. Na serra já?
Beijinhos

Vitor Barros

jo ra tone disse...

Ora o que dizer dos milhares de anúncios que propocionam à prostituição? Não será certamente para ganharem dinheiro para satisfazerem necessidades?Necessidades que vão para além das primárias. Porque a ambição será sempre para adquirir o que é luxo. Uma vida enganosa, que pensam tornar-se fácil.
Se não fosse considerada doença, teriam o seu companheiro, um único parceiro para uma relação a dois, e uma vida conforme a educação dada pelos seus progenitores,
Porque estes querem sempre o melhor para os seus filhos, e não os empurram para caminhos que os levam à perdição.
Poucos serão os que se prostituem por serem víciados do sexo.
E já agora, uma deixa porque uma vez contrariei numa sessão escolar sobre sexologia uma "doutora" que indicava que todos os alunos deveriam usar preservativos nas suas relações.
Ora eu aqui indiquei que seria mais necessário uma formação pós -escolar para a família, do que incentivá-los para esta prática.
Porque como em comentários anteriores, esta prática desenvolve-se muito no periodo escolar. Tudo tem o seu tempo, e nós sabemos muito bem disso.

Parabéns Sophia pelo tema muito importante aqui apresentado
Um beijinho

Sophiamar disse...

Vítor, Amigo!

Fico satisfeita, muito, com o rumo que a "minha" Cusquinha vai tomando.Gostar de ler e escrever como ela já o faz não é vulgar nos dias de hoje pelo que deve continuar a desenvolver esse gosto e talvez começar a escrever contos ou quiçá a compilar os que já escreveu para se aventurar na publicação de um livro a médio prazo. Há editoras que apoiam jovens escritores e pelo que me é dado apreciar temos já em vista um dos seus caminhos.
Quanto ao meu post,refiro-me a gente muito pobre, muito carente e que nunca soube o que foi ter uma família organizada, uma carícia de pai ou mãe, uma casa com mesa e roupa lavada. Refiro-me às mais pobres de entre as pobres. Essas sempre me condoeram.

A serra ainda tarda. Talvez uns quinze dias. Depois, falamos.

Beijinhos para todos vós

p.s. Adorei a fotografia. Linda a nossa menina! Lindo o sr. presidente!

Sophiamar disse...

Jo Ra Tone!

Sabes que não me referia a esse tipo de vida fácil. Essa não me condói e tem o meu mais vivo repúdio.
Falo de gente muito pobre que recorre ao "emprego mais fácil" e mais antigo. Quantas pagam com a vida essa tão amarga aventura! Quantas são exploradas!

Deixo-te um beijo e um abraço fraterno.

Bem hajas, amigo!

Zé Povinho disse...

A vida quase nunca é fácil, e a dessas senhoras não o é com toda a certeza. Nos nossos dias a prostituição toma outras formas, chegando a ser tão badaladas quanto as antigas cortesãs que a História nos descreve.
O mundo mudou muito, algumas coisas mais outras menos, apesar das novas roupagens.
Abraço do Zé

Sophiamar disse...



Sê bem vindo! Pois, a vida destas senhoras não é nada fácil. Caídas na desgraça, raramente encontram quem lhes dê a mão.

Beijinho

anamarta disse...

Isabel
passei aqui no teu cantinho, e deixo-te um beijo e desejos de um bom fim de semana

Sophiamar disse...

anamarta

Obrigada, amiga!

Que o teu seja igualmente bom.

Beijinhos

amigona avó e a neta princesa disse...

Deixo-teum abraço minha querida...

Sophiamar disse...

Obrigada, amiga. Tem uma boa noite!
Beijinhos

Luis Eme disse...

gostei de te ler...

concordo contigo em quase tudo.

abraço Sophiamar

Ana disse...

Vida fácil não deve ser, de certeza. Nem fácil será entender todas as causas e conhecer todas as consequências.
Tema difícil, sobre o qual hoje em dia se pode reflectir mais abertamente do que em tempos antigos.
Um beijo, amiga.

O Guardião disse...

A prostituição é um mal antigo e que é muito complexo. Talvez seja oportuno dizer que há outros tipos de prostituição, o de certas consciências, por exemplo, e deste mal pouco se fala apesar de ter graves consequências.
Cumps

Sophiamar disse...

Luis eme

Gostei de ver registada a tua opinião.

Vai passando.

Beijinhos

Bom fim de semana!

Sophiamar disse...

Ana, Amiga

Tema difícil mas mais fácil de abordar nos dias de hoje. Concordo contigo. Apurar as causas e as consequências é mais difícil. Já agora podes ler o livro que recomendo noutro blog que encontras no meu perfil.

Bom fim de semana!

Beijinhos

elvira carvalho disse...

Passei. Deixo um abraço, e... bom fim de semana.

Maria Faia disse...

Querida Amiga,

Falas hoje de prostituição, realidade que a maior parte de nós desconhece, ou apenas conhece por comentários e dizeres, imagens de mulheres com ares sombrios mal disfarçados por vestes e maquilhagens exuberantes, que esperam os seus clientes em qualquer lugar.
Este é um problema social oriundo já dos primórdios da humanidade, que as pessoas temem em discurtir, analisar e, quem sabe, ajudar a resolver. As razões são muitas e de variada natureza mas, quanto a mim, uma das principais será reflexo do inexistente respeito pela dignidade do ser humano.
Mas, a prostituição reveste-se hoje de formas mais elaboradas e díspares. Já não temos somente a prostituição tradicional, aquela em que uma qualquer mulher vende o seu corpo por um qualquer preço.
Temos a prostituição masculina e a prostituição intelectual, por exemplo.
Quantas pessoas hoje usam homens ou mulheres mais vulneráveis ou mais "apetecíveis" para fins que em nada os dignificam?
A sociedade em que hoje vivemos geradoras de enormes abismos e fossos sociais vai criando aberrações que, por vezes, muito dificilmente conhecemos...

Desejo-te um excelente fim de semana e deixo-te um beijo sempre amigo,

Maria Faia

São disse...

Compartilho a tua tristeza pela interrupção do António.
Ficámos mais pobres, sim.
Feliz fim de semana.

Rui Figueiredo Vieira disse...

Parabens mais uma vez pelo blogue, este é daqueles que da vontade de visitar a toda a hora...

Pena disse...

Linda Amiga:
"As mulheres de vida fácil" têm algo a compreender. A entender. A explicar. Como muito bem diz. Mulheres/toxidependentes, Mulheres/doentes, Mulheres desencantadas da vida, Mulheres/sofridas, Mulheres/ frustadas, enfim...!
Necessitam de compreensão. Não conheço nenhuma. Jamais as procuraria seja qual fosse a razão. Não fazem parte dos meus valores e princípios. Sou nulo neste domínio, mas creio que precisam de amparo e ajuda, como muito bem expressa. Não deverá ser fácil para elas a vida. Por vezes, violadas por familiares quando jovens. Muitas vezes, postas fora de casa por serem fruto de uma vida custosa de "alimentar" em todos os campos. Muitas vezes, incompreendidas no seu sentimento puro de beleza que alguém mentecapto, só pode, viola, maltrata e agride.
OLhe, amiga, penso que é preciso explicarem-se. Serem ouvidas. Serem encaminhadas. Serem amadas com amor sincero.
Admirável Post.
Trata episódios reais que afligem todo o Ser Humano que é Ser humano.
Adorei!
Bem-Haja, amiga doce.
Os seus Posts são pertinentes. Necessários de ler e aprender.
Comportam sempre mensagens muito significativas.

Falando do seu amigo.
Um dia, cada um de nós seguirá o seu caminho.
O Mundo virtual parte connosco.
Um dia alguém lerá ou não lerá.
Ficará a saudade eternizada em momentos lindos, doces, admiráveis de amizade que não confunde.
O seu amigo partiu, mas como ele haverá mais a partir, um dia.
Beijinhos amigos de encanto pela sua linda genialidade.
Brilhante Post de sensibilidade doce e muito terna.
Com estima, consideração e imenso respeito.
Sempre a admirar o que constrói com carinho e ternura do seu lindo ser

pena

Sophiamar disse...

Guardião

A prostituição, um mal difícil de abordar em todos os aspectos.
As consciências, amigo, quando são atingidas por males tão daninhos como este não devem ser recuperáveis.

Beijinhos

Bom fim de semana!

Sophiamar disse...

Elvira

Desejo-te um bom fim de semana. O melhor possível!Com os entes queridos mais chegados.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Querida Maria Faia

Orgulho-me de ter dado emprego a uma mulher/ menina, com uma filha nos braços, que me disse ganhar a vida, até então,nessa profissão que se diz ser a mais velha do mundo. Oriunda de uma família numerosa do interior, cedo largou a casa paterna e fez-se à vida.Não sei meandros da história, nem interessam para o caso, mas sei que com a minha ajuda começou a ganhar a vida honradamente. Ao mesmo tempo que escrevo, arrepio-me. Tão longe, há 27 anos, e tão perto. Hoje a sua menina está bem e ela é uma avó feliz. Um dia contei a sua história num blog.
Há, actualmente, outras espécies de prostituição, tão ruinosas quanto esta ou talvez mais. Há gente capaz de vender a alma ao diabo, sem olhar a meios, para atingir píncaros quase inacessíveis. Espero que não lhes aconteça o mesmo que a Ícaro.

Beijinhos

Sophiamar disse...

São

Com a partida do António partiu um bocadinho de mim e só não me abalou mais porque o creio à distância de um email.
Uma perda é sempre uma perda e quando se trata de um grande amigo, dilacera-se-nos a alma.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Rui Vieira

Será que ainda não fui ao teu blog?
Imperdoável se assim foi.
Já lá vou.

Beijinhos

Bem hajas!

Sophiamar disse...

Amigo Pena:

Os teus comentários são autênticos posts e espero que assim continues. É um privilégio receber-te no meu blog e ler as palavras amáveis que sempre me deixas. Quem contigo convive tem a sorte de ter uma amigo cuja dimensão é invulgar nos dias que correm. Quanto ao tema que trato sei que pouca gente o conhece mas eu orgulho-me de, desde menina, ter pertencido a instituições que faziam chegar até mim pedacinhos deste puzzle chamado vida. Com o que de bom contém e o de mau também.

Beijinhos mil e um abraço fraterno.

Filoxera disse...

Desculpa, ultimamente as minhas palavras não acompanham a sensibilidade.
Deixo-te muitos beijinhos.

a casa da mariquinhas disse...

Sem tempo para comentários, venho apenas deixar um beijinho de despedida, já que vou amanhã de férias, por 2 semanas.
Amanhã publicarei um post, o último desta fase.
Se quiser e puder...vá lá ver.
Quando regressar farei uma visita
Tudo de bom.
Beijinhos
Mariazita

Sophiamar disse...

Filoxera

Amiga, não te preocupes com comentários. Nem sempre nos apetece. A vida é assim.
Se precisares, estou aqui.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Boas férias, mariazita!
Passarei por lá para te deixar umas palavrinhas.

Beijinhos

o escriba disse...

Isabel

Ontem tinha já deixado um comentário, mas parece que desapareceu.
Bonito post, para ler e ficar uns instantes a pensar. É um tema de difícil abordagem, mas o facto é que não podemos olhar para o alto e fazer que não é nada com a gente.
Essas mulheres que tomaram esse rumo de vida por necessidade merecem o nosso respeito.

o escriba disse...

Isabel

faltou no comentário anterior um beijinho e o meu nome. As minhas desculpas.

bjs
Esperança

Sophiamar disse...

Escriba/Esperança

Conheço bem Olhão e em tempos de antanho, a respeito do tema tratado no post, dizia-se: "Olhão, porta sim, porta não" ao que os " filhes" e as filhas de Ólhão deziam: "e na tu terra ó mê ou nha grande filho (a) da .... é tude a derête".

Sabes que o falajar olhanense tem sido alvo de estudo de vários e bons linguístas portugueses?

Para as gentes olhanenses onde fui adoptada como sua, deixo um abraço envolvido na mais profunda gratidão.
Beijinhos

Sophiamar disse...

Escriba

Agradeço o beijinho mas o meu agradecimento vai sobretudo para ti, colega, que aqui deixas um bom retrato do que são as gentes da beira-mar algarvia.

Beijinhos

zef disse...

Olá,Sophiamar.
Só para dizer bom dia!
um beijo

Espaço do João disse...

Querida amiga.
Ontem fui com minha mulher fazer uma visita a um casal amigo e, pelo caminho que já é habitual, encontramos uma pessoa anã que, que já conhecemos no sítio habitual e, também vende o corpo. Comentámos a miséria não só dela mas também de quem se serve de seu corpo sem escrúpulos, para seu belo prazer. Acredita que minha revolta foi tão grande que me apeteceu esbofetear tal personagem. Não o fiz, porque há miséria como todos nós sabemos mas, tal pessoa não tem aparentemente motivos para andar por aqueles caminhos. É triste mas, é a realidade. Coisa tão nojenta não posso suportar, até porque conhecemos sua habitação e seus poderes económicos.

Mudando de assunto:- Quanto aos jarros que viste na postagem da Amigona, é fácil de se arranjar, vendem-se nas casas da especialidade bem como os jarros multicolores. No entanto, aconselho-te a não os comprares nesta altura do ano, pois são plantas que se dão mais no temperado clima da Primavera. Se me enviares a tua direção via e-mail na altura certa enviarte-ei algum exemplar dos brancos. São fáceis de propagar-se e, se faltar espaço invadem tudo. Com que então já começas a cravar-me conselhos? Bem dizias que era só esperar pela hora certa. Crava-os á vontade pois só tos darei aqueles que sei. Tem umas boas férias, pois ainda tens a sorte de ter férias, o que não acontece com os ( pobrezinhos )dos reformados, pois esses desgraçados nunca teem férias folgas, feriados ou santificados, porque teem sempre que fazer. Só teem uma vantagem; não teem horários a cumprir. E esta heim!!! Beijos do Kota. João

Espaço do João disse...

Querida Isabel.
As flores a que te referes , são nada mais, nada menos que girassois multicolores, mas espécies hibridas. São transgénicos, dão sementes mas não a consequimos reproduzí-las, sendo necessário comprar outras se quizer tê-las para o ano que vem.Logo que estejam abertas, farei algumas postagens. As coisas que os laboratórios fazem e as novas tecnologias nos aptesentam!!!No entanto recomendo toda a prudência ao fazer uso destas plantas, pois ainda são muito pouco os conhecimentos das suas aplicações. É certo que a fome que grassa no mundo é vergonhosa mas, em vez de usarmos as novas tecnologias para criar armas de destruição macissa, usêmo-la para fins benéficos à humanidade, com muita prudência e, com humanismo.
Bom domingo e boas férias. João

Sophiamar disse...

Olá, Zef!

É um prazer ver-te por aqui.
Retribuo-te o beijo e dou-te um abraço serrano.

Bem hajas!

Sophiamar disse...

João, Amigo:

Há sempre aqueles que " aproveitam" a miséria humana para dela tirarem algum prazer e há razões que nunca conseguimos encontrar para que isso aconteça. Revoltamo-nos mas só os próprios ( as) as conhecem. A nós resta-nos ajudar nos casos em que tal é possível. Muito poucos. Compreendo bem a tua revolta.
Quanto aos jarros, amigo, vou tentar arranjá-los porque só lá estou nas férias do Verão. O clima rigoroso da serra e o conforto da casa da cidade levam-me a que opte por esta durante o resto do ano. Porei em breve algumas fotografias do Canto do Melro para que o aprecies.
Desconheço os jarros multicolores mas devo gostar deles também.
Quanto aos reformados, espero sê-lo logo que possa, têm o tempo disponível a seu bel-prazer e tu és daqueles que não pára. Dá gosto ler-te! És imparável! Reformado que nada faz é uma tristeza.
No entanto se decidir plantar/ semear os jarros na Primavera mando-te a morada.

Beijinhos, amigo jardineiro.

Sophiamar disse...

João

Desconhecia este tipo de girassol embora já tivesse ouvido falar desse tipo de agricultura.
Se os mandantes do mundo quisessem, João, a fome acabaria rapidamente. Mas isso nunca aconteceu e temo que não venha a acontecer. Não quero, no entanto, lançar ventos de desesperança.
Tanto dinheiro mal gasto!
Aguardo as fotos dos girassóis. Vamo ver se dão flor!

Beijinhos do sul

J. Stocker disse...

Isabel

Uma excelente abordagem.
Mesmo nos tempos que correm, é sempre dificil falar deste tema sem levantar controvérsias.
Uma excelente chamada de atenção.

Que o fim de semana seja aproveitado para descandar
Um abraço

Sophiamar disse...

J.Stocker

É com muito gosto que o vejo por aqui. Já sabe que as portas estão sempre abertas. Quanto ao tema, sempre polémico, sempre actual. Intemporal. Infelizmente.

Um abraço