segunda-feira, 28 de abril de 2008

A Poesia de António Franco Alexandre

Monet


Nesta última tarde em que respiro


A justa luz que nasce das palavras

E no largo horizonte se dissipa

Quantos segredos únicos, precisos,

E que altiva promessa fica ardendo

Na ausência interminável do teu rosto.

Pois não posso dizer sequer que te amei nunca

Senão em cada gesto e pensamento

E dentro destes vagos vãos poemas;

E já todos me ensinam em linguagem simples

Que somos mera fábula, obscuramente

Inventada na rima de um qualquer

Cantor sem voz batendo no teclado;

Desta falta de tempo, sorte, e jeito,

Se faz noutro futuro o nosso encontro.



António Franco Alexandre


In Uma fábula


Assírio & Alvim, Edições









Nascido em 1944, em Viseu, António Franco Alexandre é tido como um dos melhores poetas nacionais da actualidade. Doutorado em Matemática e em Filosofia, viveu e estudou em França e nos Estados Unidos.
A estreia na publicação dá-se em 1969, com "Distância". O ano da revolução de Abril é especialmente prolífero: o poeta lança "Visitação", "A Pequena Face", "Dos Jogos de Inverno", "Sem Palavras Nem Coisas". No ano seguinte, regressa a Portugal para leccionar na Faculdade de Letras de Lisboa.
Segue-se a publicação das obras "Os Objectos Principais" (1979), "A Pequena Face" (1983), "As Moradas "1&2 (1987), "Oásis" (1992). Em 1996 reúne todos os livros que havia publicado até então, à excepção do primeiro, em Poemas.
Em 1999, "Quatro Caprichos" vence o Prémio APE de Poesia, trazendo-lhe maior reconhecimento.
"Duende" é, segundo Eduardo Prado Coelho, «um dos mais belos livros de poesia amorosa que se escreveram desde há muito em língua portuguesa». O juri do Prémio Corrente D´escritas classifica-o como «um livro que conjuga numa tensão permanente o fragmento e a totalidade, num poema feito de 52 sonetos, onde a originalidade do processo enunciativo impera dificultando a leitura, mas onde o ritmo e a rima colmatam essa dificuldade no sentido de uma evidência».
É a consagração de um poeta de cuja vida pouco se conhece, mas cuja obra não esqueceremos facilmente.

30 comentários:

aryanalee disse...

De facto não conhecia este António, mas obrigada pelo facto de mo teres dado a conhecer um pouquinho.
Beijinhos á Maria linda

Maria Clarinda disse...

Não conhecia o António Alexandre, obrigada pela partilha. Adorei o poema. A pintura de Monet....sempre Monet
Jinhos mil

Agulheta disse...

Sophia.
Não conhecia,mas sempre é bom partilhar,fiquei a saber,a pintura lindo.
beijinho e boa semana Lisa

Maçã com Canela disse...

Adoro esse quadrode monet devido a essas cores maravilhosas que o compõem..
Não conhecia este autor, mas gostei muito do que li.. muito bonito..

Um beijo daqui também.. perto do mar!

Graça Pires disse...

Outro excelente poeta. Também faz parte da minha biblioteca de poesia. É bom encontrá-lo aqui.
Um beijo.

Maria disse...

Não conhecia este Poeta, obrigada por no-lo dar a conhecer.
Desejo as tuas melhoras rápidas, e deixo um beijinho à tua Maria.

Beijinhos pra ti........

herético disse...

gosto de poesia assim. sólida. sem adjectivos nem excrecências... literárias!

António Inglês disse...

...Desta falta de tempo, sorte, e jeito,
Se faz noutro futuro o nosso encontro...
Este poeta eu não conhecia de todo, mas como sabes, eu de poesia sou um zero à esquerda e por isso conheço poucos.
Cá venho hoje, que tive de faltar à minha habitual reunião de segunda-feira.
A vida está complicada, mas tu sabes que eu estou cá sempre, mesmo ausente.
Tanto ritmo, tanta solicitação para quem há três/quatro meses não tinha quase nenhuma é capaz de trazer alguma instabilidade emocional a este velho tonto, mas logo se verá.
Por enquanto a coisa vai andando assim.
Vejo que também te vai faltando o tempo, e por certo que a "nossa" princesa Maria tem a ver com isso, e ainda bem. Ela mais que ninguém precisa de atenção.
Mana Isabel, deixo-te um grande abraço repleto de beijinhos fraternos e que a vida vos dê o melhor que alguém pode desejar.
António

elvira carvalho disse...

Mais um escritor que fico a conhecer, graças a si.
Espero que esteja melhor.
Um abraço

anamarta disse...

Não conhecia este poeta, mas gostei do que li, obrigada.
As tuas melhoras
beijinhos

amigona avó e a neta princesa disse...

Pelos vistos não é conhecido...gostei de ler! Hoje preciso de me sentir bem e nada melhor do que visitar aqueles a quem queremos bem! Beijos amiga...muitos...

Aspásia disse...

OLÁ ISABELITA

AMIGA, EM PRIMEIRO LUGAR AS TUAS MELHORAS É Q EU DESEJO. EU TB. AINDA NÃO RECUPEREI POR COMPLETO DA MINHA GARGANTA. SE FALO MAIS UM POUCO, VOLTA-ME UMA TOSSE DE CÃO, embora BASTANTE MENOS AGORA, JÁ ESTOU A ANTIBIOTICO HÁ 1 SEMANA E ANTES DISSO JA ANDAVA NISTO, SEM PODER QUASE FALAR SEM A TOSSE, VAI PARA UM MÊS...
É PRECISO MTO CUIDADO C AS DIFERENÇAS D ETEMPERATURA E ARES CONDICIONADOS.

QUANTO A ESTE POETA, EU GOSTO MAIS DE POESIA RIMADA, MAS RECONHEÇO QUE O POEMA QUE ESCOLHESTE TEM MUITA BELEZA.
O MEU CONHECIMENTO DE POESIA NOS ULTIMOS 15 ANOS QUASE, FEZ-SE BASTANTE ATRAVES DO PROGRAMA "SONS FÉRTEIS" DA ANTENA 2, A QUAL PASSOU A SER UM GRANDE LIVRO PARA MIM, DESDE QUE ME SURGIU O PROBLEMA DO OLHO SECO. ENTRE POESIA, BIOGRAFIAS, PROGRAMAS CULTURAIS D EVARIA INDOLE EMTRE OS QUAIS O MAGNIG«FICO "QUESTÕES DE MORAL " DE JOEL COSTA, UM SENHOR DE ENORME CULTURA E QUE OUÇO DESDE 1994, INCLUSO GRAVEI TODOS OS PROGRAMAS DURAMTE 10 ANOS EM K7. ESSE E OUTOS O QUE FAZ QUE TENHA TALVEZ UMAS 1000 K7 GRAVADAS DA RADIO E DEPOIS NAO TINHA CORAGEM P AS APAGAR...

OLHA DESCULPA ISTO Q SERIA MAIS APROPRIADO POR MAIL. TB CONFESSO QUE ANDO PREOCUPADA COM COISAS DA VIDA REAL E NAO ANDO COM MUITA CONCENTRAǺAO NEM TEMPO PARA OS BLOGS...

BEIJINHOS E RÁPIDAS MELHORAS, ISABELITA!

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá cara amiga, não conhecia, belo poema !
Beijos

Carminda Pinho disse...

Isabelita,
como estás desde há bocado?
Daqui a 2 dias ou 3 isso passa, vais ver.:)
Ora aqui está mais um poeta para mim um ilustre desconhecido.
Gostei do que li.

Beijinhos

Andréa Motta disse...

Linda a poesia e o quadro ficou lindo com ela! Parabéns!

gaivota disse...

não sei se curti mais este António se Monet...mas o conjunto é sem dúvida uma escolha feliz!
cá estou com as minhas meninas, querida amiga...quando começar a contar os últimos dias é que vão ser elas...................
dói sempre, tantooooooooooooooooooooo
o tempo passa tão depressa...hás-de ver depois, pela tua maria...
mil beijinhos para ti

Jorge P.G Sineiro disse...

Isabel, sabes decerto do meu apreço por António franco Alexandre, um poeta avessoa correntes ou estilos. um tanto hermético, sim, mas sem fazer concessões ao leitor ou à moda.
Aliás, o próprio, depois de receber em 1999 um prémio literário afirmou ao Público:
"não sei qual é a minha família poética, contemporânea, se ela existe mesmo..." acrescentando ainda que os textos bíblicos são a sua maior influência. E que se sente próximo de Joaquim Manuel Magalhães, João Miguel Fernandes Jorge e Hélder Moura Pereira, com quem publicou em 1976 um livro colectivo, intitulado "Cartucho", mas logo avisa: 2não sei se eles ainda se sentem próximos de mim...".
Pois é um desses cartuchos, já muito velhote, que possuo comigo oferecido pelo Joaquim. trata-se de um cartucho, mesmo, daqueles antigos de mercearia, em papela pardo com riscas vermelhas e atado com um cordel selado por alumínio.
Dentro, amarrotadas, folhas brancas com poemas dos 4 autores.

Um abraço para ti.

Sophiamar disse...

Aaryanalee, Maria Clarinda,

Agulheta, Maçã com Canela

António Franco Alexandre é um poeta pouco conhecido mas vale a pena adentrarmo-nos pela sua obra se gostamos de poesia. Não ficarão decepcionadas.

Beijinhos

Sophiamar disse...

Graça Pires

Eu quase tinha a certeza que o conhecias, amiga. Vale a pena constar numa biblioteca. E a tua merece-o com toda a certeza.

Beijinhosssss

Sophiamar disse...

Maria

Este poeta pertence à poesia contemporânea mas não é homem que se enquadre em correntes. Daí talvez ser menos conhecido. No entanto, vale a pena ler a sua obra. Não ficarás decepcionada.

Beijinhossss

Sophiamar disse...

Herético

Imaginei que gostasses deste tipo de poesia. Resume-se ao essencial. Sem adornos mas nem por isso menos boa. Pelo contrário.

Beijinhosssss

Sophiamar disse...

António, Mano, Amigo Querido!

Eu sei que tu estás presente embora ausente nos comentários. O teu blogue é um ponto de encontro onde não falho e aí dou conta do trabalho que vais tendo, muito, e de outros conhecimentos que nos vais transmitindo. Preciosos. Sempre!

És um amigo, um ombro, com quem conto e sei, se precisar de ti, onde encontrar-te.
Muito obrigada! Bem hajas!

Podes contar com a Isabel. Sempre! Esta algarvia serrana está sempre disponível para os amigos.

Mil beijinhossssssssss grandessssss

Sophiamar disse...

Elvira, Amiga!

Fico satisfeita que tenhas ficado a conhecer mais um escritor, mais um poeta. O poder encantatório das palavras de António Franco Alexandre não deixa mais esquecer quem assim escreve.

Beijinhos, Elvira!

Sophiamar disse...

anamarta e amigona

Este poeta faz uso da palavra de uma forma diferente. Sem acessórios, a sua poesia é tão interessante que seduz apesar de não rimada.

Beijinhosssss

Apareçam sempre.

Os amigos são sempre bem-vindos.

Bem hajam!

Sophiamar disse...

ASPÁSIA, GRANDE AMIGA!

COMO TE DISSE NÃO ESTOU BEM E, SEGUNDO O MÉDICO, COM A GRIPE NÃO SE BRINCA. APESAR DISSO, MANTIVE-ME SEMPRE A TRABALHAR COMO MUITAS VEZES TEM ACONTECIDO AO LONGO DESTA VIDA DE MUITAS DÉCADAS.ENQUANTO PUDER A ASSIDUIDADE MANTER-SE-Á REGULAR.
TENHO ESTADO UM POUCO DESMOTIVADA DOS BLOGUES MAS DEPOIS DE UM CURTO PERÍODO DE REFLEXÃO VOLTEI. AFINAL QUEM POR AQUI ANDA É GENTE REAL COM AS MESMAS QUALIDADES E DEFEITOS. VOU MANTER-ME! POR ENQUANTO ASSIM PENSO. E FORÇA NÃO ME ESTÁ A FALTAR NESTE MOMENTO.

BEIJINHOS GRANDE AMIGA. DÁ TAMBÉM AO PAI. PELA ALGARVIA MARAFADA.

Sophiamar disse...

Fernando

É um excelente poeta. Tenta conhecê-lo. Vais gostar.

Beijinhosssss

Sophiamar disse...

Carminda, Amiga!

Afinal a maleita não passou. Continua em força apesar dos medicamentos. Mas faço-lhe frente.
O poeta, um ilustre desconhecido, é dos melhores contemporâneos que conheço.

Beijinhosssss

Sophiamar disse...

andrea motta

Sê bem vinda. Este blogue recebe-te de braços abertos.

Mil beijinhossss

Bem hajas!

Sophiamar disse...

Gaivota, princesa do mar!

Aí o tempo foge. É sempre assim quando gostamos muito. Aproveita todos os minutos e segundos.

Beijinhosssss mil

Quanto ao poeta, António Franco Alexandre, é um dos melhores contemporâneos que conheço.

Sophiamar disse...

Jorge:

Tu és um sortudo, pá! Eu sabia que conhecias bem António Franco Alexandre, sobre quem fizeste um post. Talvez no Bigodes!Mas disto do " Cartuxo" já não me lembrava. Essa biblioteca, hein!
Agradeço o teu comentário em dia de descanso mas fez-te bem relembrar o poeta e o presentinho do JMM.
Tem um bom sábado!

Bjinhos